Pesquisar este blog

segunda-feira, 4 de junho de 2012

Amor



Sempre me questionei sobre o amor. O que é? Como é?Eu sabia que amava muitas coisas, mas nunca consegui definir esse sentimento. Ele nunca foi intenso o bastante, capaz de se materializar ou de ser, no mínimo, descritível.
Passei grande parte da vida na certeza de que um dia eu sentiria algo assim por um cara, algo incontrolável, intenso, mas ao mesmo tempo puro e verdadeiro. E não é que eu estava certa?!
Hoje eu sinto algo até mais profundo que tudo isso por um cara, mas não é qualquer cara não, é o mais perfeito que já conheci. Não acreditava nem mais que existiam pessoas assim; ele é lindo, doce, se preocupa comigo, ta sempre por perto, me respeita, cuida de mim e me ama, ah, ele me ama, mas não é qualquer amor não. Eu me sinto até envergonhada diante do amor dele por mim, porque mesmo eu sentindo tudo isso, não chega à metade do que ele sente por mim.
Ele me ama tanto, mas tanto, que não mede esforços em fazer coisas que todos consideram como loucura. A maior delas? Ele saiu do conforto do lugar onde ele morava, foi pra uma terra onde nem ligavam pra ele, onde reinava a indiferença e começou a falar sobre amor, a mostrar o que era amor, então passaram a odiá-lo, mas a odiar tanto que queriam a morte dele. Sabe o que ele fez? Só por me amar ele assumiu todos os meus erros, deixou baterem nele de uma forma absurda e depois pendurarem ele em uma cruz e ele morreu. Sim, ele morreu por me amar.
Você acha que essa história acaba aqui? Não. No terceiro dia, quando achavam que o tinham vencido, ele ressuscitou e até hoje ele habita comigo. E eu não vejo outra coisa a fazer a não ser amá-lo com tudo o que eu sou e entregar a ele toda a minha vida
Foi quando eu percebi o amor se materializar: O amor é um homem, o homem que eu mais amo.
Se eu fosse representar o amor pra você em um desenho, não desenharia um coração, desenharia uma cruz, porque essa foi a maior prova de amor que já recebi, uma prova de amor que foi capaz de me salvar da morte.
Ah! Acabei de perceber, falei, falei dele e nem disse o nome, né?! Você deve conhecê-lo por Jesus, eu o chamo de “meu amor” e você também pode chamá-lo assim, porque ele está te convidando agora a viver essa história de amor com ele por toda a eternidade. 


Vídeo: Que Amor é Esse? - Ricardo Robortella [Clamor pelas Nações] e Ana Paula Valadão. Letra.

Nenhum comentário:

Postar um comentário